Com todo o trabalho de elaboração de estudos sobre o novo panorama durante e pós pandemia e as novas frentes de atuação, a Fundação FEAC refaz seu plano de trabalho para 2021 e 2022 a fim de reforçar todo o apoio e compromisso com a promoção humana, a assistência e o bem-estar social com foco na população em situação de vulnerabilidade, priorizando investimentos e construindo planos de ações com foco no impacto positivo junto a populações pobres de Campinas.

 


Em 2019, segundo estudos da Fundação Getúlio Vargas, 23,3 milhões
de brasileiros  viviam em situação de vulnerabilidade.

 

Contemplar três diferentes perspectivas de agravamento ao espalhamento do novo Coronavírus no município de Campinas de acordo com as recomendações da OMS e identificar quais as áreas de risco sobrepondo informações de densidade demográfica, idade e saneamento básico.

Foram 15 territórios levantados e apontados com maior potencial de disseminar a COVID-19.

A metodologia do estudo foi replicado por 3 instituições diferentes, pela NEPO (Núcleo de Estudos de População) da UNICAMP, pela Universidade Estadual do Ceará (Programa de Pós-Graduação em Sociologia UECE – PPGS) e pelo Coletivo sem Rótulo, no município de Leme.


Segundo dados divulgados pela universidade Vanderbilt (EUA), em apenas duas semanas, 97 mil crianças foram infectadas pelo coronavírus com a reabertura das escolas. Alto índice de contaminação nos Estados Unidos leva especialistas a questionar estratégia de volta às aulas.

Identificar junto às OSC necessidades e desafios no retorno às atividades e como a FEAC pode contribuir nesse contexto.

33 OSC de Educação Infantil.

25 participantes das equipes técnicas das instituições e 14 dirigentes.


Segundo o estudo “Impacto da Covid-19 nas  OSC brasileiras, 73% das instituições relatam que foram impactadas e a crise as enfraqueceu muito ou parcialmente. 87% das OSCs tiveram todas ou parte de suas atividades interrompidas ou suspensas.

Conhecer os principais impactos gerados pela pandemia nas OSC parceiras da Fundação FEAC em Campinas, tendo uma visão atualizada das principais demandas das instituições   durante esse período. Além disso, o estudo visa subsidiar a Fundação FEAC nas possibilidades de apoio a partir das demandas indicadas na pesquisa.

OSC de Campinas, parceiras da FEAC.

60 respondentes.


O atual momento pede um acompanhamento atento sobre os desdobramentos da pandemia, o posicionamento do poder público e as medidas anunciadas em diversas esferas para entender a extensão e impacto nas OSC e para as populações em situação de vulnerabilidade social.

Identificar as principais demandas emergenciais, geradas pela pandemia nas populações que vivem em 10 regiões mais vulneráveis aos impactos da Covid-19.

Lideranças locais, moradores e técnicos dos serviços de proteção social, educação e saúde.

48 respondentes.


Segundo a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG), pessoas residentes em abrigos públicos, casas de repouso particulares e outras instituições para permanência de idosos são particularmente vulneráveis à Covid-19. Levantamento realizado em abril de 2020 aponta que há cerca de 78 mil idosos em instituições credenciadas no Sistema Único de Assistência Social.

As Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs) apresentam uma preocupação com a necessidade de utilização de equipamentos de segurança, manutenção do distanciamento social e cuidados extras dos funcionários em contatos com os idosos. Conhecer os impactos da pandemia nas ILPIs, considerando que este é um público de risco no contágio pela Covid-19.

Ministério Público de Campinas e Instituições de ILPIs.

6 instituições,
246 idosos acolhidos
320 profissionais