O primeiro dia de dezembro ganhou um destaque especial na vida de jornalistas de Campinas e região, afinal, aconteceu a tão esperada cerimônia de premiação do 23º Prêmio FEAC de Jornalismo. O encontro reuniu mais de 120 convidados entre jornalistas, equipe da Fundação FEAC e autoridades no Espaço Zanzara, localizado no bairro Jardim Flamboyant. Estiveram presentes a jornalista Marina Avancini, representando o Prefeito Dário Saadi, o secretário de educação, Tadeu Jorge, o secretário de esporte, Fernando Vanin, Artur Vasconcellos Araújo representando a secretária da assistência social, Vandecleya Moro, e Roberto Cardinalli representando o presidente da Câmara Municipal de Campinas.

Ao todo, se inscreveram no Prêmio 43 jornalistas e estudantes de jornalismo, e 58 produções foram submetidas em uma das cinco categorias: Mídia Impressa, Mídia Online, Televisão e Rádio, com prêmio de R$ 5 mil, e Produto Universitário, com prêmio de R$ 3 mil.

O tema da 23ª edição foi Iniciativas que transformam territórios e teve como objetivo destacar iniciativas de impacto social positivo das regiões em situação de vulnerabilidade. Neste ano, a FEAC teve o apoio da parceira Fundação Educar DPaschoal, uma importante incentivadora do Prêmio.

A volta do Prêmio FEAC de Jornalismo foi uma das grandes novidades que a Fundação FEAC apresentou nesse ano, já que a premiação precisou ser interrompida em 2020 devido à pandemia da Covid-19. Criado em 1998, o prêmio tem o compromisso de reconhecer o trabalho realizado por profissionais de comunicação na cobertura de temas relacionados à cidadania e ação social em Campinas.

Os trabalhos jornalísticos inscritos foram reproduzidos em vários veículos de comunicação da região como Correio Popular, G1 Campinas e Região, Jornal da Unicamp, Hora Campinas, Portal CBN Campinas, Dário Campineiro, Rádio Educativa, TV Câmara Campinas, EPTV, EducaTV, Thathi Record TV entre outros.

O superintendente socioeducativo da FEAC, Jair Resende, destaca a relevância da comunicação na promoção das causas sociais. “A imprensa desempenha um papel vital, agindo como um poderoso meio de conscientização e mobilização. Através da sua capacidade de relatar histórias, expor injustiças e destacar questões relevantes, os meios de comunicação ajudam a dar voz a temas que muitas vezes são negligenciados”.

Para Resende, esta missão é capaz de transformar realidades. “É por reconhecer este valor que a FEAC Promove o Prêmio FEAC de Jornalismo, prestando uma homenagem a todos os profissionais que dedicam suas vidas à missão de informar e também nos incitar a refletir e agir e gerando mudanças significativas na sociedade”.

Veja mais fotos da celebração aqui.

FEAC reconhece produções sobre iniciativas de impacto positivo em Campinas

A jornalista Cibele Vieira foi a grande vencedora da categoria Mídia Impressa com a matéria “Esperança é cultivada em horta suspensa do Progen”, pelo jornal Correio Popular. A produção é sobre o projeto “Plante uma árvore e ganhe oxigênio em troca” do Projeto Gente Nova (Progen), que trabalha com a recuperação e educação ambiental com moradores do bairro Satélite Íris.

Adriana Vilar de Menezes também comemorou sua vitória em Jornalismo On-Line com a matéria “Um futuro em outra casa”, publicada no Jornal da Unicamp. A jornalista conversou com jovens da Fundação Casa que estão estudando no cursinho pré-vestibular virtual do programa Colmeias Unicamp e sonham em entrar na universidade. 

A série de reportagem “De andorinha em andorinha, o centro de Campinas vive os desafios de uma revitalização”, veiculada na Rádio CBN Campinas, deu à jornalista Maria Carolina Garcia Rodrigues o título de vencedora da categoria Rádio. Os desafios e soluções para revitalizar o centro da cidade foi destaque na série de reportagens.

Na modalidade Televisão, a jornalista Viviane Novaes ganhou com a reportagem “O poder transformador do livro”, exibida na EducaTV Campinas. A produção é sobre a importância do livro na educação e cultura e mostra os impactos positivos do Pé de Livro, projeto que incentiva a leitura do Centro de Apoio e Integração do Surdocego Múltiplo Deficiente (Cais).

A estudante de jornalismo Steffani Lira, da UNIP Campinas, foi a grande vencedora da categoria Produto Universitário com a matéria “Cursinhos populares vão além da grade comum e ensinam sobre direitos e cidadania”, sobre os cursinhos pré-vestibular para jovens em situação de vulnerabilidade.